21 de maio de 2018

Curso de Trilhas: Treinamento com Corpo de Bombeiros


Cont. da postagem anterior Geografando pela Flona Carajás


Eu escrevi outro dia aqui que tem coisas que a gente tem que deixar para a posteridade. Pois bem, esse post é um deles, (risos). 

Deixando de lado a costumeira linguagem técnica, formal e educativa vou logo me empoderando duma  linguagem popular,  bem senso comum mesmo. Afinal não vejo outra forma de falar dessa segunda etapa do primeiro módulo do 2º Curso de Trilhas e Caminhadas. 

Pois bem, com a chegada do sargento Anderson e sua equipe, soldado Danilo, Xavier e Cabo L. Rodrigues, nossa rotina no alojamento mudou intensivamente. Alguns colegas espalharam entre nós que seríamos acordados as 3h da manhã com baldes de água jogados na nossa cara para iniciar o treinamento. Terror total, pois nós não sabíamos o que nos esperava. Confesso que a presença dos bombeiros alardeou os pensamentos de alguns. 

Nada disso aconteceu. Tomamos café da manhã normal e fomos para sala para iniciarmos o treinamento. O sargento Anderson relatou algumas vivências de sua profissão e juntamente com sua equipe nos mostrou várias técnicas de sobrevivência. 


Para iniciar o treinamento o sargento Anderson, dividiu o grupo em três equipes e enumerando todos os alunos. Alfa, Brava e Charles eram os nomes das equipes. Eu fazia parte da equipe Charles, que por sinal deu um show, he, he. Pra mim foi a melhor, (será por que rss). Nós ficamos ao comando do cabo Danilo, que também na minha singela e humilde opinião foi o melhor (risos). 

Equipe Charles

Entre as atividades de sobrevivência nos foi ensinado diversos nós, entre ele o nó direito, que pode ser utilizado para unir duas cordas ou cabos, desde que estes sejam da mesma espessura (bitola). Aprendemos ainda outros como: Oito, pescador duplo, boca de lobo e nó volta  do fiel.  





Esses nós são usados para a atividade do rapel e em demais situações, como para fazer padiola, (maca improvisada), para transportar alguma vítima de lugares remotos.


Aprendemos também fazer armadilhas para fisgar pequenos peixes, e fazer de garrafa pet para filtrar água. 
Claro que o filtro não saiu como o esperado, mas limpou um pouco a água. 

Equipe Charles

Equipe Alfa - Inesquecível ☝
Equipe Brava


Divando com os melhores ❤


É difícil descrever esses dias de curso. Viver coisas fora do nosso cotidiano em todos os sentidos resultou em muito aprendizado. Somos pessoas diferentes após passarmos pelo sargento Anderson. Ele é incrível. Conseguiu arrancar meu riso e de todos que estavam lá. Ele conseguiu fazer pessoas se tornarem inesquecíveis para nós, como as colegas 05 e 08. Esta primeira dormiu durante um intervalo pequeno no treinamento e fez a equipe Alfa pagar algumas flexões. Já a número 08 pediu para beber água num determinado momento e no final do curso ganhou uma garrafa pet de 2 litros cheia de água de presente. 

Ficar por algumas horas sem beber água e cumprir horário fazia parte do treinamento pelo qual nos foi proposto. E entre risos e flexões aprendemos muito. 

O Blog agradece ao 23º Batalhão Militar do Corpo de Bombeiros- Parauapebas, na pessoa do soldado Danilo pelo belíssimo trabalho desenvolvido nesse curso. ❤

Vamos ver o vídeo produzido pela Ascom- Assessoria de Comunicação da Prefeitura.




Topo