29 de julho de 2018

O que eu Aprendi com a Procrastinação

Hoje quero fazer um relato que vai parecer mais um desabafo. Mas não é. Confesso que algumas coisas de nossas vivências não são fáceis de compartilhar. Mas eu me sinto bem em escrever, eu adoro escrever, mas me empolgo com facilidade e sempre revelo minha alma nos meus posts.



Quando criei o blog foi para mostrar a parte boa da vida, da minha vida. Mas nos últimos 4 anos, muitas coisas aconteceram, mudanças, mais um filho, e por muitas vezes me sentir engolida pelo tempo. Uma das minhas grandes dificuldades na minha vida é a de compreender o ser humano.

E muitas vezes quis me entender, muitas vezes me perdi de mim. Eu sempre fui uma pessoa totalmente ativa. Dessas que acorda cedo e resolver o que tem que resolver.  Mas ultimamente passei por um período de procrastinação terrível. 

Isso me fez mal e bem. Por um lado foi necessário passar por essa introspecção interiorizada de mim mesma. Aprendi a ter paciência, a ter calma, a aceitar, a conformar. 

Foram mais de 2 anos de procrastinação. Isso é bastante tempo. Porém, mesmo com falta de atives, eu não deixei um sequer momento de ser uma boa mãe e de me envolver em projetos sociais. O que eu deixei de lado mesmo foi meu lado mulher, profissional. 

Isso também de deve ao fato deu na minha terceira gravidez ter decidido que não iria trabalhar por um tempo, e que ia me dedicar exclusivamente a maternidade. E assim eu fiz. Nossa, é bom demais fazer o que a gente quer, da forma que a gente quer, foi lindo esse período da minha vida, onde me dediquei apenas aos meus filhos, a casa, sem cobranças, sem demais compromissos.

Porém, quando meu filho já estava na idade de 2 anos eu entrei num estado de "hibernação". Durante todo esse tempo eu me senti super sensível, e chorei inúmeras vezes. Ora me sentia sozinha, ora queria estar mesmo sozinha. Comecei a despertar que precisava dar um tempo não só do trabalho, mas de tudo que não estava mais encaixando no meu estilo de vida. 

Hoje compreendo melhor por que foi necessário passar por esse período de procrastinação. Como eu quis alinhar meus sentimentos, e a vida não pára, eu tive que adiar algumas atitudes. Eu sinceramente considero isso super normal, foi um processo de limpeza espiritual. Minha alma está mais leve.

Esse processo de interiorização, me fez afastar de muitas pessoas, amigos. As mudanças em nossas vidas são necessárias as vezes. Sinto que eu precisava desse tempo, desse processo, no qual sofri e sofri, mas foi um sofrimento que me fez amadurecer e aprender coisas que não teria aprendido se não fosse dessa forma.

E se engana quem pensa que falar do sofrimento já é negatividade e tal. Nada disso, o sofrimento faz parte de nossa vivência. Em diversas fases de nossas vidas passamos por ele. É na adolescência com primeiro amor, é de saudade, é na perda de um parente, é por isso ou aquilo, sempre volta e meia está lá o sofrimento, fazendo parte de nossa vida.


E ultimamente eu estou num momento egoísta, pois estou de uma maneira bem ampla olhando mais pra mim, ter um tempo meu e para o que me agrada, para tudo aquilo que me faz bem. Não me permito mais ter acesso ao que me causa ansiedade ou agitação.

Podem dizer que o ato de procrastinar é preguiça, má vontade, mas só quem viveu isso sabe que é um mal necessário. Hoje estou mais livre, sem medos, mais criativa, e fazendo as coisas caminharem, pois me sinto fortalecida.

E se um dia for necessário, eu paro novamente e espero estar confiante para seguir. Todos nós em algum momento de nossa vida um dia iremos parar e querer organizar tudo aqui dentro. A ordem, faz parte da nossa natureza. 


Bjinhos..





Topo